Favoritos Página Principal E-mail
 

De olho em 2014 - Parte II

Ainda abalado com o resultado “armado” do julgamento no STJD, vamos das sequência na análise das mudanças necessárias no Flamengo para termos sucesso em 2014. Hoje o meu foco é nas mudanças que precisamos na diretoria. Já vou logo avisando que não sou do tipo de torcedor que acha que um título é a prova definitiva de que tudo foi feito de maneira correta e competente. Se fosse assim, Edmundo Santos Silva seria um dos melhores presidentes que o Flamengo já teve, afinal ganhou cinco títulos, entre eles aquele memorável Tri Carioca do golaço de falta do Pet. E na realidade sua administração é uma das piores da história do futebol brasileiro, com direito até a impeachment.

Por incrível que pareça, muitas vezes um título acaba trazendo alguns ônus, e o principal deles é encobrir muitas coisas ruins que precederam a conquista. Posso citar pelo menos três sem pensar muito: o fracasso no Campeonato Carioca, as constantes trocas de técnico e a campanha medíocre no Brasileirão. Todos estes fatos são frutos da incompetência das pessoas que dirigiram o futebol rubro-negro em 2013. Mais especificamente o vice de futebol Wallim Vasconcellos e o diretor de futebol Paulo Pelaipe. Ganhamos a Copa do Brasil com muito pouco mérito do trabalho deles. Vejam esta coluna anterior onde explico isso detalhadamente.

Não vou entrar no mérito de quais contratações foram acertadas e quais foram erradas. Eles acertaram em algumas (como Wallace, Chicão, André Santos, Elias e Paulinho) e erraram em outras (como Diego Silva, Val, Gabriel, Bruninho e Carlos Eduardo). O ponto central nesta discussão é que com várias contratações e várias dispensas não conseguiram sequer montar um elenco melhor que o de 2012. Tanto que, excluindo-se a decisão absurda do STJD, dentro de campo ambos os times fizeram campanhas idênticas no Brasileirão: Um 11º lugar após lutar contra o rebaixamento. E uma das promessas da Chapa Azul ao se eleger era que nunca mais teríamos times limitados como os da Patrícia.

Paulo Pelaipe não passa de um dirigente amador que viu a possibilidade de ganhar dinheiro se “promovendo” a profissional. Ficou vários anos no Grêmio e não ganhou praticamente nada (seu maior título foi a Série B). Sua amplitude de contatos restringe-se a alguns amigos empresários dos tempos de futebol gaúcho. Por isso tamanha incompetência para montar o elenco. Sua principal desculpa é que várias contratações que ele estava acertando foram vetadas pelo Conselho Diretor. Ora, se isso for verdade então ele é ainda pior do que eu pensava! Como o cara assume um cargo de direção de um departamento e aceita uma situação em que não tem autonomia para tocar o barco?

Já o caso de Wallim Vasconcellos passa pela sua completa incapacidade para ser o vice de futebol do Flamengo. Caiu no cargo de pára-quedas, sem a menor experiência no meio futebolístico. Com certeza seria muito mais útil em um outro cargo administrativo fora do futebol. Como um Diretor Geral, por exemplo. Que até era o cargo que ele iria assumir originalmente e depois recusou, por ser remunerado. Se for verdade a informação de que Plínio Serpa Pinto pode assumir o seu lugar, eu acho uma boa. Ele fez um bom trabalho junto com Kleber Leite no futebol rubro-negro entre 2005 e 2009. A administração de Kleber Leite como presidente foi péssima, mas “sem o cheque para assinar” eles mostraram que tem capacidade e experiência para administrar o futebol.

Na minha opinião seria necessária esta mudança na direção do futebol rubro-negro: a saída Wallim e Pelaipe, dando lugar a dirigentes mais experientes e capacitados para seus cargos. Me dá calafrios de pensar que estes dois e o Jayme estão planejando o elenco para disputar a Libertadores 2014. Espero estar enganado, mas acho muito difícil estes três terem competência para montar um time em condições de brigar pelo título continental. E, como dito na última coluna, precisamos de um grupo muito melhor que o atual para ao menos sonharmos com o Bi.

Outra mudança significativa que precisamos é no departamento jurídico. Seja lá quem for que autorizou a escalação de André Santos contra o Cruzeiro deve ser afastado ou demitido imediatamente! Essa pessoa cometeu um dos piores erros da história do Flamengo, ao permitir que um jogador com risco de estar irregular entrasse em campo num jogo que não valia nada! Independente de o Flamengo estar certo ou não neste caso (e para mim está certo e foi injustiçado no STJD), não tinha necessidade nenhuma de se correr este risco! No mínimo deveria ter consultado a CBF ou o STJD antes de liberar a escalação dele. Tomou uma atitude totalmente amadora, contra tudo o que essa diretoria prega. O culpado tem que ser responsabilizado!

Por Daniel Marques, editor-chefe do site Flamengo MTM


COMENTÁRIOS



Voltar | Topo | Home
Site criado por Daniel Marques. Todos os direitos reservados ©.   
Free Web Hosting