Favoritos Página Principal E-mail





ABERTURA - NEM A PANDEMIA PAROU O MENGÃO

Num ano atípico, em que a pandemia do novo coronavírus paralisou o futebol no Brasil por quase três meses e deixou os estádios sem público no retorno, nem mesmo essa enorme adversidade foi capaz de impedir o Mengão de conquistar o bicampeonato carioca. Dando sequência assim a uma era vitoriosa iniciada com as conquistas de Libertadores, Brasileiro e Carioca em 2019, passando pelos títulos da Supercopa e Recopa de 2020. Um desfecho com chave de ouro para o vitorioso trabalho do técnico Jorge Jesus e sua comissão técnica, que inesperadamente retornaram para Portugal logo após a conquista do 36º título carioca do Flamengo. Neste especial você poderá saber tudo sobre mais esta conquista do maior clube de futebol do Rio de Janeiro.

Com os três maiores rivais enfrentando grandes dificuldades financeiras, era bastante evidente o favoritismo do Flamengo no Campeonato Carioca 2020. Ainda mais após o clube rubro-negro chegar ao topo do futebol brasileiro e sul-americano no ano anterior. Cabia a Botafogo, Vasco e Fluminense tentar superar suas limitações para surpreender o maior rival e desbancar o seu favoritismo. O Vasco acabou fazendo péssima campanha, sequer chegando às semifinais em ambos os turnos. O Botafogo também fez um campeonato muito fraco, ficando de fora da semifinal da Taça Guanabara e caindo na semifinal da Taça Rio. Já o Fluminense chegou ainda mais longe, conquistando a Taça Rio e disputando a decisão do campeonato. Mas não foi páreo para um Flamengo muito superior tecnicamente.

Após disputar a final do Mundial de Clubes em dezembro, o Flamengo teve que estender a pré-temporada do time principal para o período das primeiras rodadas da Taça Guanabara. Isso levou a montagem de um time alternativo, mesclados de juniores e jovens reservas pouco utilizados, para a disputa das quarto rodadas iniciais do turno. Comandados pelo técnico dos juniores Maurício Souza. E a garotada deu conta do recado. Após um empate em 0 a 0 na estreia contra o Macaé, perdendo inúmeras chances claras de gol no 2º tempo, o time alternativo venceu as duas partidas seguintes, contra o time reserva do Vasco (1 a 0) e o bom time do Volta Redonda (3 a 2), encaminhando assim a classificação. Ainda fez um jogo equilibrado contra um Fluminense com força máxima, perdendo por 1 a 0 num lance de genialidade de Nenê.

O time principal fez sua estreia no campeonato na 5ª rodada, derrotando Resende por 3 a 1 de virada, num jogo em que a falta de ritmo pesou na atuação do time, mas no final os atacantes Pedro, Bruno Henrique e Gabigol resolveram a situação e garantiram o Flamengo na semifinal da Taça GB. Na última rodada mais uma vitória, desta vez contra o Madureira por 2 a 0. Gols de Pedro e Gabigol. A derrota da garotada para o Flu acabou pesando na classificação final do grupo A, com o Flamengo se classificando apenas no 2º lugar, atrás do Boavista. No grupo B o Fluminense terminou na 1ª colocação, e seria o adversário do Mengão na semifinal do turno. O Volta Redonda foi o 2º colocado e faia uma semifinal de pequenos contra o Boavista.

No Fla-Flu da semifinal o Flamengo logo fez valer a sua superioridade técnica em relação ao rival, abrindo 2 a 0 logo no começo do jogo, com gols de Bruno Henrique e Gabigol. Depois perdeu inúmeras outras oportunidades de gol, e só foi ampliar o placar no começo do 2º tempo, com Filipe Luís. 3 a 0 que parecia garantir a vaga na final. Mas a partir daí o time rubro-negro se acomodou no jogo, permitindo uma reação do Fluminense, que fez dois gols diminuiu o placar para 3 a 2. Como o empate classificaria o Flu, a tensão durou até o fim do jogo, com dois gols bem anulados do tricolor. Mas no final o placar não mudou e o Mengão garantiu sua vaga na final.  

A decisão seria contra o Boavista, que fez valer a vantagem pela melhor campanha e eliminou o Voltaço com um empate por 1 a 1 na outra semifinal. Em meio a final da Recopa Sul-Americana, o técnico Jorge Jesus resolveu escalar um time misto para a decisão da Taça Guanabara. E logo no começo do jogo isso começou a pesar pra o Flamengo. O Boavista abriu o placar logo aos 4 minutos, num gol de falta de Jean que o goleiro César poderia ter evitado. A partir daí o time rubro-negro pressionou em busca do empate, mas esbarrou na retranca do adversário e nas atuações ruins de alguns dos reservas escalados para esta final. Mas a persistência do Mengão foi premiada no final do 1º tempo, em chute de Diego que desviou no zagueiro e encobriu o goleiro do Boavista. Saímos no lucro levando o 1 a 1 para o intervalo.

  No 2º tempo o Flamengo partiu em busca do segundo gol, mas seguiu tendo dificuldades para construir jogadas de perigo ao gol do time de Saquarema. O time melhorou com a entrada do insinuante Michael, que passou a criar as melhores oportunidades de gol do time. O gol do título saiu aos 34 minutos, numa troca de passes espetacular que terminou na finalização precisa do artilheiro Gabigol. 2 a 1 e mais um título de Taça Guanabara para a galeria do Mengão. Com a mudança do regulamento, que extinguiu as semifinais do campeonato, esse título de turno garantiu o Rubro-Negro na final do Campeonato Estadual.

Na estreia da Taça Rio o Mengão já mostrou sua força ao golear a Cabofriense por 4 a 1, com três gols de Gabigol. Na rodada seguinte o clássico contra o Botafogo. No 1º tempo o Flamengo esbarrou na forte retranca montada pelo técnico Paulo Autuori, mas no 2º tempo o time rubro-negro conseguiu furá-la e marcar os gols com Éverton Ribeiro, Michael e Gabigol, que ainda perderia o mesmo pênalti duas vezes. Um 3 a 0 que traduziu bem o momento das duas equipes. Na terceira rodada o campeonato começou a ser afetado pela pandemia do Covid-19. O jogo contra a Portuguesa teve que ser disputado com portões fechados. Sentindo a falta do calor da Nação, ou mesmo o temor pelo coronavírus, o time do Flamengo teve a sua pior atuação em muito tempo. Saiu atrás no placar e só conseguiu a virada com dois gols nos minutos finais, com um gol salvador de Arrascaeta.

Ao final da rodada o campeonato foi paralisado, seguindo as recomendações de quarentena devido ao novo coronavírus. E assim ficou por cerca de três meses. Seguindo vários protocolos de segurança, no começo de junho o Flamengo foi o primeiro time a começar a treinar e a pressionar a Ferj pelo reinicio do campeonato. Sofreu fortes críticas da maioria da imprensa, que muito por razões políticas era favorável a manutenção da quarentena e das atividades suspensas pelo máximo de tempo possível. Com o apoio de Flamengo, Vasco e de todos os 12 clubes pequenos, a Ferj marcou o reinício do campeonato para o meio de junho, seguindo os mesmos protocolos de segurança que deram certo no Flamengo. Com forte apoio da imprensa, Fluminense e Botafogo eram contra o reinício, mas perderam as ações na Justiça para impedi-lo.

Com isso o Flamengo reiniciou o campeonato abrindo a 4ª rodada contra o Bangu. Um jogo que quase ninguém assistiu, devido à ausência de público no Maracanã e a não transmissão da TV, por uma briga jurídica entre Rede Globo e Flamengo. Em campo o Mengão fez sua parte e venceu por 3 a 0, garantindo vaga na semifinal da Taça Rio. A pedido de Flu e Botafogo, a Ferj adiou o restante de rodada por cerca de 10 dias. Com isso o Flamengo só voltou a jogar pela última rodada duas semanas depois, quando venceu o Boavista por 2 a 0, com gols de Pedro e Gerson, jogo que teve uma inédita transmissão com imagens pela FlaTV. Que seguiria nos jogos seguintes do Flamengo como mandante, após uma MP assinada pelo presidente Bolsonaro. O Mengão terminou em 1º lugar do grupo A com 100% de aproveitamento, com o Botafogo em segundo. No outro grupo o mesmo resultado final da Taça GB: Fluminense em primeiro e Volta Redonda em segundo.

Na semifinal contra o Voltaço, o Mengão teve um amplo domínio das ações durante toda a partida. Criou inúmeras oportunidades de gol, e praticamente não deu chances ao adversário de chegar com perigo ao gol de Diego Alves. Chegou ao gols com dois de Bruno Henrique, um em cada tempo. 2 a 0 e vaga assegurada em mais uma final de turno. A decisão seria contra o Fluminense, que fez valer a vantagem do empate contra o Botafogo, se classificando com um 0 a 0. Assim o Mengão estava a apenas uma vitória de conquistar dois títulos, a Taça Rio e o Campeonato Carioca. Cabia ao Flu tentar impedir isso.  

  Em meio à indefinição sobre a permanência do técnico Jorge Jesus, o Flamengo não conseguiu mostrar em campo o futebol que vinha encantando a todos. Deixou o Fluminense abrir o placar ainda no 1º tempo, com gol de cabeça de Gilberto. O time rubro-negro jogava mal e pouco criava, mas no 2º tempo foi crescendo aos poucos, até chegar ao gol de empate, num golaço de cabeça de Pedro. Ainda ficou perto da virada, mas Matheus Ferraz salvou um gol em cima da linha. O 1 a 1 persistiu até o final, e a decisão seria nos pênatis. Apesar das duas defesas de Diego Alves, o Flamengo perdeu três pênaltis e o Flu venceu por 3 a 2, sendo o campeão da Taça Rio.

Assim fomos para os dois jogos da final, com um Flamengo ainda favorito, mas abalado com a perda da Taça Rio. No primeiro jogo o Flamengo conseguiu dominar as ações no 1º tempo, chegando ao gol com Pedro, após bela troca de passes. Mas novamente teve dificuldades para criar mais chances de gol. No 2º tempo o Fluminense partiu em busca do empate, e diante de uma inexplicável apatia do time rubro-negro conseguiu empatar com um gol de Evanílson, e criou várias oportunidades para virar o placar, esbarrando em Diego Alves. Mas num raro contra-ataque o Flamengo fez o segundo, em passe de Gabigol para Michael. Placar final 2 a 1.  

  No 2º jogo da final, num Maracanã ainda sem público, mas com transmissão histórica do SBT, após a Globo rescindir o contrato pelo Carioca, o Flamengo tentava voltar a mostrar seu melhor futebol para garantir o título. E desta vez enfim conseguiu, dominando completamente o jogo e não dando qualquer chance ao Flu. Mas o gol insistia em não sair, até que nos acréscimos Vitinho marcou o gol que deu justiça ao placar e garantiu o bicampeonato estadual ao Mengão. Foi a despedida do técnico Jorge Jesus, que dias depois da decisão voltou ao Benfica, de Portugal. Mas ficará marcado para sempre por esta e todas as outras conquistas! VALEU MISTER!

 

Voltar | Topo | Home
Site criado por Daniel Marques. Todos os direitos reservados ©.   
Free Web Hosting